domingo, 10 de junho de 2018

Brasil e seu futebol


Brasil vence a Áustria em jogo-teste antes de ir para a Rússia

Publicado em 10/06/2018 - 14:11

Por Aécio Amado - Repórter da Agência Brasil Brasília -

A vitória do Brasil por 3 x 0 sobre a Áustria, no gramado do Happel Stadion, começou a ser construída aos 34 minutos do primeiro tempo, com o gol de Gabriel Jesus que, após uma bola rebatida na zaga austríaca, sobrou no lado esquerdo para o atacante. Ele ajeitou o corpo e chutou cruzado, no lado esquerdo do goleiro Lindner.

O gol aliviou um pouco a pressão que a seleção austríaca, até então, vinha exercendo sobre o time brasileiro no primeiro tempo, com uma marcação forte e algumas vezes até faltosa. Após o gol de Jesus, a seleção passou a controlar o jogo no meio de campo, sem permitir as ações de ataque dos austríacos, até que o arbitro finalizasse o primeiro tempo.




Neymar e Coutinho trocam passes entre quatro defensores austríacos - Direitos reservados/Lucas Figueiredo - CBF

A seleção voltou para o segundo tempo sem nenhuma mudança, mas com uma postura tática mais ofensiva, principalmente pelo lado esquerdo, com as triangulações de Neymar, Coutinho e Willian. Mas foi com uma jogada que começou pela direita, com Willian, que o atacante numa assistência por cima da zaga adversária encontrou Neymar livre pelo lado esquerdo.

Restou ao craque brasileiro o trabalho de aplicar um corte seco no zagueiro Dragovic, que ficou no chão, antes de chutar para o gol sem que o goleiro Lindner nada pudesse fazer. Foi o gol de número 55 de Neymar pela seleção, aproximando-se ainda mais de marca de Romário, que tem 56 gols, segundo a contagem da Confederação Brasileira de Futebol (CBF).

Com 2 x 0 no placar, Tite começou a fazer uma série de mudanças no time. Entraram Marquinhos no lugar de Thiago Silva, Fernandinho no de Casemiro e Roberto Firmino no lugar de Gabriel Jesus.

O terceiro gol brasileiro aconteceu minutos depois da entrada de Firmino. Aos 23 minutos, lembrando uma antiga parceria no Liverpool, onde jogaram juntos até Coutinho ir para o Barcelona, Firmino encontrou Coutinho livre pelo lado esquerdo e passou-lhe a bola. O jogador do Barcelona só teve o trabalho de avançar e tocar por cima de Lindner, que só viu a bola tocar o fundo da rede.

Após o gol, Tite fez novas mudanças no time: aos 29 minutos, tirou Coutinho e colocou Taisson e, aos 37, Douglas Costa entrou no lugar de Neymar. A seleção ainda tentou algumas jogadas de efeito, mas, com a vitória garantida, fez o tempo passar e esperar o juiz apitar o fim da partida. Os jogadores brasileiros saíram do Happel-Stadion de Viena aplaudido pela torcida.

A delegação brasileira deixa a capital da Áustria ainda neste domingo. A previsão de chegada a Sochi, na Rússia, está prevista para a madrugada desta segunda-feira (11). O Brasil estreia na Copa do Mundo no próximo domingo, dia 17, contra a seleção da Suíça, às 15h (horário de Brasília), no Rostov Arena.

Edição: Aécio Amado


quinta-feira, 31 de maio de 2018

Muito especial


Hospital do Baixo Amazonas faz primeiros transplantes de rim com doador falecido








“Quando me ligaram para informar sobre o transplante, eu aceitei na hora. Foi a maior comemoração lá em casa! Espero que eu volte a ter uma vida normal, de pessoa normal, que trabalha e que estuda”, comemora Mariane Pinheiro Nobre, de 35 anos, paciente do primeiro transplante de rim com doador falecido realizado em um município do interior da Amazônia. O procedimento aconteceu no Hospital Regional do Baixo Amazonas (HRBA), Santarém(PA).


Mariane fazia hemodiálise há quatro anos. Após muitas dores, mal estar e febre, ela foi diagnosticada com insuficiência renal. “Na primeira consulta, o médico já me internou, disse que eu estava com um problema muito sério no meu rim. No outro dia comecei a diálise”, lembra. Agora, ela comemora o transplante. “Minha vida vai mudar. Vou poder beber água à vontade! Sentia muita sede”.

Duas pacientes receberam os rins da doadora que teve morte encefálica por conta de um aneurisma. Antes do óbito, Sônia Maria de Sousa Lima informou à família que queria ser doadora de órgãos. “Foi um choque para a família porque ela foi diagnosticada com aneurisma, mas ela estava consciente, conversava, tomava banho, tudo perfeito. Foi muito difícil para os irmãos aceitarem a doação, queriam o sepultamento com ‘tudo’ e falei que esse ‘tudo’ poderia salvar vidas e que era a vontade dela. Foi quando aceitaram e assinaram os papeis”, conta a cunhada de Sônia, Francisca Souza.

Em novembro de 2016, a equipe do HRBA fez o primeiro transplante com doador vivo. Desde então, foram 20 transplantes realizados na unidade, que é gerenciada pela Pró-Saúde Associação Beneficente de Assistência Social e Hospitalar, sob contrato de gestão com a Secretaria de Estado de Saúde Pública do Pará.

O hospital já captava órgãos desde 2012. Após a coleta, os órgãos eram levados para a Central de Transplante, em Belém, e direcionados ao paciente que estava na fila. “Este foi o primeiro transplante renal com doador falecido no interior da Amazônia e foi com uma equipe 100% regional. Isso foi um marco histórico pra gente, porque, com doador falecido, a logística não é fácil, mas cumprimos todos os requisitos do Sistema Nacional de Transplantes. Ganhamos força, coragem e reconhecimento dos pacientes em Santarém. Foi muito positivo”, relata o responsável técnico do Programa de Transplante da unidade, o nefrologista Emanuel Esposito.

Para o cirurgião Alberto Tolentino, que comandou a equipe cirúrgica durante os procedimentos, a tendência é que aumente o número de doações de órgãos. “Sabendo que os órgãos vão ficar aqui mesmo na região, a expectativa é que os familiares aceitem mais e ajudem a salvar vidas. Esse era um grande anseio da população que tem insuficiência renal crônica e está na fila por um transplante. Esses pacientes ficaram muito felizes, comemoraram o início desses procedimentos, assim como toda a equipe do hospital, que se empenhou para conseguir realizar esses procedimentos”, diz.

O resultado é mais um avanço para a saúde da população. “Esta última semana foi histórica. Isso é importante, porque realizamos a captação dos rins e também fizemos o transplante desses órgãos com equipe própria. Representa um avanço significativo por possibilitar aos pacientes serem beneficiados pelas doações e captações realizadas pelo hospital. O HRBA caminha a passos largos para ser uma referência na assistência ao paciente renal crônico para a região Norte do País”, afirma o diretor-geral do Hospital Regional, Hebert Moreschi.

De acordo com a Sociedade Brasileira de Nefrologia, o transplante renal é considerado a mais completa alternativa de substituição da função renal. Quando o órgão é de doador falecido, os rins são retirados após a morte encefálica e autorização dos familiares. Para receber um rim de doador falecido, é necessário estar inscrito na lista única de receptores de rim, da Central de Transplantes do Estado.

domingo, 13 de maio de 2018

Jovens aplicados


Atletas de Mãe do Rio se destacam em etapa regional dos JEPs





Lance de jogo de basquete, uma das modalidades disputadas na etapa regional dos JEPs em Mãe do Rio
Foto: Eliseu Dias / Ascom Seduc


Com medalhas de ouro em handebol, futsal e basquetebol, e prata em voleibol, o município de Mãe do Rio, no nordeste paraense, encerrou sua participação na 2ª etapa Regional dos Jogos Estudantis Paraenses (JEPs) no sábado (12). A participação de Mãe do Rio na competição, que completa 60 anos em 2018, iniciou antes de sua elevação à condição de município, há 30 anos.

Um dos veteranos ainda em atividade é o professor Isaac Lopes, que há quase 50 anos participou pela primeira vez do evento, em Belém, ainda com a denominação de Jogos Estudantis do Interior.

Hoje, o professor de Educação Física forma sua terceira geração de competidores, entre os quais o socorrista Warley Lima, 36 anos, que trabalha no Samu (Serviço de Atendimento Móvel de Urgência). Ex-atleta de basquebol, ele agora acompanha o filho, Vitor, nos JEPs.

Aos 16 anos, Vitor Lima estará pela terceira vez na fase estadual em Belém, pela Escola Estadual Padre Marino Contti, integrando a equipe de basquetebol, como o pai dele esteve há mais de 20 anos. "São centenas de estudantes que treinaram comigo, e sempre digo aos novatos que mais de 80% deles se tornaram cidadãos de bem, honrados, que estudaram e hoje têm uma profissão digna", ressaltou Isaac Lima.

A Regional Mãe do Rio dos JEPs teve 409 atletas inscritos. Destes, 150 são do município-sede. Eles disputaram as modalidades futsal, voleibol, basquetebol e handebol. Segundo a coordenadora municipal dos Jogos, Chiara da Silva Sampaio, a prática esportiva ocorre durante o ano todo nas escolas das redes municipal e estadual, "tanto que a seletiva municipal recebe inscrições de todas as escolas, e o ginásio da cidade funciona durante o ano todo para atender à procura de professores por treinos fora do horário escolar, porque acreditamos no poder transformador do esporte na vida do jovem".

Resultados - Mãe do Rio sediou pelo quarto ano uma das etapas dos JEPs, que teve entre os vencedores as atletas de voleibol da Escola Técnica de Paragominas, na categoria B (15 a 17 anos), e a equipe de voleibol “B” da Escola Nikkei, de Tomé- Açu.

No futsal masculino A (12 a 14 anos), os estudantes da Escola Estadual Deuzalina Lima venceram, pelo placar de 6 x 1, a equipe do Colégio Luterano de Tomé-Açu. A atleta de basquetebol Maria Luisa Silva, da categoria A de basquete, treina desde as séries iniciais do ensino fundamental maior, e estará na etapa estadual dos Jogos.

A estudante quer seguir os passos do irmão, Marcos, atleta de Mãe do Rio revelado nos Jogos, que hoje integra o time de basquete do Paysandu, na capital paraense. "Tudo iniciou com o meu pai, que era atleta de voleibol nos JEPs. Aqui, em Mãe do Rio, desde criança gostamos de praticar esporte”, disse Maria Luisa.
Atletas de Acará, da Escola Deuzalina Lima, ficaram com o ouro nas categorias A e B Masculino. Já na categoria B Feminino do Futsal o ouro foi conquistado, nos pênaltis, pelas alunas da Escola Estadual Irmã Agnes, de Ipixuna do Pará, que derrotaram a equipe de Altinópolis, da Escola Professora Izabel Amazonas.
No final das competições, além de destacar os vencedores, o momento foi também de solidariedade a quem não conseguiu subir ao pódio. Edson Rodrigues, técnico da Escola Luterana de Tomé-Açu, enfatizou aos atletas que vencer e perder faz parte da vida. Segundo ele, "saber trabalhar bem essa questão na cabeça dos nossos alunos os torna mais fortes e preparados para a formação futura".
Por Kátia Aguiar